Notícias

Futura

Canal Futura exibe “A Primeira Pedra”, documentário que apresenta histórias reais de linchamentos no Brasil

Publicada em: 13 de junho de 2018

              O Canal Futura exibe o documentário “A Primeira Pedra”, que apresenta histórias reais de linchamento ocorridas em diversos locais no Brasil e mostra como a violência vem crescendo no país, muitas vezes praticada por quem se intitula “cidadão de bem”. O filme foi vencedor do 8º pitching DOC Futura, seleção promovida todos os anos pelo Canal com projetos que abordem temas de relevância social.

                Dirigido por Vladimir Seixas, o documentário apresenta histórias de vítimas de linchamento, como a de Cledenilson Pereira – amarrado em um poste e morto a socos e pontapés após ser acusado de roubo – e Fabiane Maria de Jesus – espancada até a morte no Guarujá, por causa de boato na internet sobre sequestro de crianças para magia negra. “A Primeira Pedra” também mostra a luta diária de superação dos sobreviventes André Ribeiro e Luiz Aurélio e traz relatos de pessoas que sofreram ameaças por impedir tal violência, como é o caso da estudante Mikhaila Copello e da educadora Yvonne Bezerra de Mello. As gravações aconteceram nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Maranhão e Santa Catarina.

O diretor conta que o filme surgiu a partir do desejo de mostrar o aumento e a banalização de práticas intolerantes nos últimos anos no País. “Queremos dimensionar a barbárie que esses atos cotidianos expressam e disputar a desconstrução das bases motivadoras dessa violência”, explica Vladimir Seixas, afirmando que a sociedade não tem conhecimento verdadeiro desse surto de linchamento. “Depois de decidir fazer este documentário, criei um alerta de pesquisas na internet e recebo notícias sobre linchamento praticamente todos os dias. É uma questão realmente preocupante e, muitas vezes, são noticiados como qualquer outro tipo de violência”, alerta.

Para Vladimir, são muitas as questões que colocam no indivíduo uma pré-disposição de “fazer justiça com as próprias mãos” – seja vingança, descrença nas instituições, medo ou até mesmo substratos religiosos e ritualísticos. “Outro ponto que deve ser levado em consideração é o preconceito racial. E para pensar essa questão, o documentário parte de uma constatação: nos casos em que a vítima é negra, como é o caso de Cledenilson, os linchamentos são muito mais cruéis e agressivos”, explica.

 

O filme está disponível no Futura Play, www.futuraplay.org.

 

foto: Site canal futura