Notícias

Prêmio Jovem Cientista

Jovens cientistas brasileiros são premiados no Palácio do Planalto em Brasília

Publicada em: 4 de dezembro de 2018

Criado em 1981, o Prêmio Jovem Cientista reconhece estudantes, pesquisadores e instituições de ensino que buscam enfrentar os desafios do país

Estudantes, pesquisadores e instituições de ensino, que desenvolveram soluções sobre o tema “Inovações para Conservação da Natureza e Transformação Social” recebem o 29º Prêmio Jovem Cientista nesta quarta-feira, dia 5 de dezembro, no Palácio do Planalto pelo presidente Michel Temer. Projetos de Alagoas, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Pará, São Paulo, Amazonas, Minas Gerais, Bahia e Ceará venceram esta edição do Prêmio, que tem o objetivo de incentivar a pesquisa e a inovação no País e é considerado um dos mais importantes reconhecimentos aos cientistas brasileiros.

Participam da cerimônia o presidente Michel Temer; o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab; o presidente do CNPq, prof. Mário Neto Borges; o secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, Hugo Barreto; o presidente do Conselho Curador da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Miguel Krigsner; o superintendente regional do Banco do Brasil, José Aparecido de Oliveira e a diretora de Ciência e Inovação da Rede Britânica no Brasil da Embaixada do Reino Unido, Cindy Parker.

O primeiro lugar no ensino médio foi para a gaúcha Juliana Davoglio Estradioto, que criou um filme plástico biodegradável feito com casca de maracujá capaz de substituir as embalagens de mudas de plantas, que geram grande quantidade de lixo na agricultura; o pernambucano Célio Henrique Rocha Moura,  primeiro lugar no ensino superior, venceu com uma pesquisa sobre como a percepção da população sobre áreas preservadas na cidade do Recife pode auxiliar na gestão das Unidades de Conservação; já o primeiro lugar na categoria mestre e doutor foi para João Vitor Campos e Silva, paulista que mora em Maceió, com o  estudo do impacto de um modelo de conservação na Amazônia que recupera populações de pirarucu e tem potencial para garantir às comunidades o equivalente a uma poupança bancária avaliada em R$ 30 mil anuais.

 

O Prêmio Jovem Cientista contempla as categorias Mestre e Doutor; Ensino Superior; Ensino Médio; Mérito Científico (para um cientista de destaque em áreas relacionadas ao tema da edição) e Mérito Institucional (para instituições dos ensinos médio e superior com o maior número de trabalhos qualificados). Nesta edição, com o objetivo de reforçar a importância da busca por inovações para conservar os recursos naturais e consolidar as transformações sociais, o Prêmio propôs linhas de pesquisas que abordam temas como agricultura familiar, restauração florestal, tecnologias de gestão e economia criativa, mudanças climáticas, inclusão digital, entre outros.

A 29ª edição do Prêmio Jovem Cientista é uma iniciativa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)/ Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, em parceria com a Fundação Roberto Marinho, Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e Banco do Brasil e apoio do projeto Ano Brasil-Reino Unido de Ciência e Inovação, da Embaixada do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte no Brasil.