Notícias

Futura

Quatro histórias de mobilização reunidas
no filme 'Levante!', que estreia no Futura

Publicada em: 25 de junho de 2015

Levante!, documentário do Futura - episódio México

O documentário “Levante!” acompanha jovens que utilizaram a tecnologia para lutar por causas sociais, como no México

 

O documentário “Levante!”, que o Futura exibe nesta quinta-feira, dia 25, a partir das 22h, acompanha quatro histórias de mobilização social que foram permeadas e potencializadas pelas mídias digitais. Saiba mais sobre elas:

Brasil
Durante as manifestações de junho de 2013, quando milhões de brasileiros foram às ruas, uma agência de notícias independente se destacou com transmissões ao vivo das ruas cariocas, usando apenas um smartphone. A equipe de filmagem do documentário acompanhou de perto a ação dos jovens do coletivo Mídia Ninja, como o jornalista Filipe Peçanha.
Graças à tecnologia, eles registraram os desdobramentos da greve de funcionários da Comlurb, no Rio de Janeiro, no carnaval de 2014, com o uso do aplicativo TwitCasting Live, que permite que internautas acompanhem, ao vivo, a transmissão de vídeos feitos por um smartphone ou tablet. Pessoas de qualquer lugar do globo puderam conferir os acontecimentos em “tempo real” pelo site, Twitter e Facebook do grupo, onde os vídeos foram compartilhados.

Hong Kong

Em setembro de 2014, após a China impor limites à liberdade política da ilha de Hong Kong, a classe estudantil se reuniu em protestos e mobilizou uma greve em frente à sede do governo local. Foi quando o jornal Apple Daily, em Hong Kong, decidiu usar um drone para registrar os protestos.

México
Em meio à instável situação política do México, 43 estudantes da região de Ayotzinapa desapareceram em outubro de 2014. Milhares de mexicanos saíram às ruas em protesto. O documentário apresenta jovens que participaram ativamente deste movimento, se organizando via redes sociais, e registrando a revolução ao redor com seus smartphones. Os ativistas usam ainda meios audiovisuais para fazerem projeções midiáticas de guerrilha em espaços públicos e compartilharem informações.

Faixa de Gaza
Duas jovens palestinas registram os conflitos na Faixa de Gaza. Noor Harazeen é estudante de inglês na faculdade de Al-Azher e, em 2009, começou a trabalhar como intérprete para delegações internacionais que visitam a região durante o processo de pacificação. Ela criou um canal no YouTube que, nos dois primeiros dias, teve mais de 100 mil acessos. Depois, Harazeen criou também uma página no Facebook, hoje com mais de 30 mil curtidores, nos quais compartilha com o mundo o seu olhar sobre Gaza. Hoje, Noor é correspondente para vários canais de TV internacionais.
Durante os bombardeios na Faixa de Gaza, em 2014, Farah Baker, uma adolescente de 16 anos, ousou fazer uma transmissão via Twitter. Antes do início dos relatos, Farah contava com 800 seguidores em sua conta. Após seus tweets sobre o embate, mais de onze mil pessoas leem suas mensagens, assistem a seus vídeos e comentam suas fotos.

Pesquisa ‘Juventude Conectada’ inspirou seleção de documentários

Filmes selecionados nos pitchings colecionam prêmios