Notícias

Escola Fundação Roberto Marinho – RJ

400 alunos da Escola Fundação Roberto Marinho se formam no Ensino Fundamental e Médio

Publicada em: 11 de dezembro de 2019

 

 

Mais da metade dos brasileiros de 25 anos ou mais ainda não concluiu a educação básica, de acordo com um recente estudo do IBGE. A falta de acesso à Educação limita as oportunidades, assim como diminui as perspectivas de todos aqueles que ficaram pelo caminho, independente do motivo. Mas para algumas centenas de pessoas, um novo horizonte se abriu na noite desta terça-feira (10). É que 400 estudantes da Escola Fundação Roberto Marinho, que frequentam salas de aula no Complexo da Maré e em Botafogo, se formaram nos ensinos fundamental e médio. A cerimônia ocorreu no Teatro Riachuelo, no Centro do Rio de Janeiro. Com apresentação do jornalista Alexandre Henderson, a formatura contou ainda com a participação do grupo musical Mulheres ao Vento, formado no Complexo da Maré.

 

O jornalista Alexandre Henderson foi o Mestre de Cerimônias da formatura da Escola Fundação Roberto Marinho

 

 

Wilson Risolia, secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, subiu ao palco e falou sobre a importância desta cerimônia, após meses de aulas e desafios.

 

 

 

“Muitos são casados, são pais, são mães, são avós, e estão seguindo a vida com uma energia maravilhosa. Então, muda. A educação transforma vidas. Não existe nada mais transformador do que o conhecimento”

 

Os estudantes completam o ensino fundamental e o médio em 18 meses, por meio da Educação de Jovens e Adultos. Como um dos maiores desafios é conseguir frequentar a escola, que muitas vezes está distante de casa e do trabalho, a Escola Fundação Roberto Marinho atua em várias localidades, com aulas nos três turnos. As salas de aulas estão instaladas em regiões que recebem pessoas com alta vulnerabilidade social – atualmente, são 800 jovens e adultos concluindo a escolaridade em salas no Complexo da Maré, Rio Comprido, Del Castilho, São Gonçalo e Botafogo. Desde 2011, a escola já formou 1775 estudantes: 470 no ensino fundamental e 1305 no ensino médio.

 

 

 

 

A Escola Fundação Roberto Marinho adota a metodologia do Telecurso, que se baseia em currículo e materiais pedagógicos especialmente desenvolvidos, com um professor em sala de aula que acompanha a turma e o uso de diversas tecnologias. A prática pedagógica, inspirada nos principais teóricos da Educação, garante um aprendizado com sentido e que atenda às necessidades desse público que tem sido sistematicamente deixado para trás. Afinal, ainda temos, infelizmente, muitos jovens e adultos brasileiros que precisam transpor várias paredes.

 

Sobre o Telecurso

 

Concebido na década de 70, como um programa de TV para garantir acesso à educação para todos, a partir da década de 90 o Telecurso ampliou sua atuação para apoiar a solução de problemas educacionais, como elevados índices de repetência, evasão escolar e baixo desempenho em avaliações nacionais. Assim, a Fundação Roberto Marinho desenvolveu uma inédita metodologia, mobilizando acadêmicos dos cursos de licenciatura e pedagogia das principais universidades do país, para o desenvolvimento de um currículo e materiais pedagógicos que o concretizassem, acompanhados de um conjunto de ações (como formação continuada de professores e gestores, práticas de sala de aula, acompanhamento pedagógico e avaliação). Desde então, o Telecurso apoia as redes públicas brasileiras a superar os baixos resultados de aprendizagem, a defasagem idade-ano, a repetência e a evasão.

 

A metodologia do Telecurso, selecionada para compor o Guia de Tecnologias do MEC, vem sendo adotada como política pública por governos estaduais e municipais de todo país. Atualmente, é implementada em distintas modalidades: na promoção da adequação idade ano (correção do fluxo escolar); no apoio ao ensino regular para estudantes que apresentam problemas de aprendizagem ou que estudam em comunidades dispersas; e na educação de jovens e adultos (EJA). Desde 1995, 1,6 milhão de estudantes foram formados no ensino fundamental e médio em escolas públicas de 12 estados brasileiros, em programas coordenados pela Fundação.