Indicadores das Consequências da Violação do Direito à Educação

Diversos especialistas têm se debruçado sobre os dados educacionais e produzido robustos diagnósticos. O país conhece o tamanho dos problemas da educação brasileira. Todos os jovens de 15 a 17 anos deveriam concluir a educação básica, conforme determina a Constituição Federal. No entanto, projeta-se que, aproximadamente, 17% dos jovens não concluirão a educação básica na idade certa, mantida a tendência de melhoria das últimas décadas. Os diagnósticos estão feitos e indicam que o direito à educação está sendo violado no Brasil.

 

Mas, afinal, quais são as consequências para a sociedade brasileira de não educar seus jovens? Quais são as consequências de violar os direitos à educação? Quanto custa não priorizar a educação? O objetivo da pesquisa “Consequências da Violação do Direito à Educação”, parceria da Fundação Roberto Marinho com o Insper, foi mensurar as consequências financeiras e, assim, mostrar que, além de ser um direito garantido na Constituição, a educação traz um retorno gigantesco para o país. Não reconhecer a educação como propulsora do desenvolvimento do país é um erro que a sociedade brasileira e os gestores públicos não devem cometer. A pesquisa foi realizada por Ricardo Paes de Barros e Laura Machado, com apoio da Oppen Social.

 

Assista aqui ao webinário de lançamento do estudo:

 

  • Apresentação: Consequências da violação do direito à educação

  • Apresentação resumida: Consequências da violação do direito à educação

  • Cards para comunicação: Consequências da violação do direito à educação

  • Nota técnica: Quanto custa não garantir o direito à educação para todos

  • Release da pesquisa

  • Conclusão da Educação Básica: Custos

  • Conclusão da Educação Básica: Desigualdades Socioeconômicas

  • Conclusão da Educação Básica: Desigualdades cor ou raça e gênero